<style type="text/css">.wpb_animate_when_almost_visible{opacity:1}</style> A importância da reserva de emergência - AGENDA DO VALE

A importância da reserva de emergência

Isadora Mendonça | 30/08/2020 às 13h39

A importância da reserva de emergência

Foto: Divulgação / Reprodução

Antes de começar essa matéria, gostaria de falar sobre dois pontos importantes. Essa semana fiz uma enquete no Instagram da Agenda do Vale perguntando quem sabia o que era uma reserva de emergência. 44% das pessoas responderam que não. Quando perguntei para essas mesmas pessoas, quantas possuíam uma reserva de emergência, apenas 19% responderam que sim. Então antes de explicar a sua importância, vamos à explicação do que é uma reserva de emergência.

A reserva de emergência é um montante em dinheiro que deve corresponder a seis meses do seu custo mensal. O seu custo mensal é quanto você precisa para viver um mês tranquilamente, sem se endividar, em caso de um possível desemprego ou caso seja um trabalhador autônomo. Algumas pessoas, para se sentirem mais seguras fazem uma reserva de doze meses, outras, mais tranquilas, fazem uma de apenas três meses.

Vamos supor que você consiga se manter com R$ 2.000,00 por mês, a sua reserva deverá ser de pelo menos R$ 12.000,00 (caso você escolha a reserva de seis meses).

Agora, qual é, afinal, a importância da reserva de emergência?

Além de te livrar de um nome sujo porque você não conseguiu pagar alguma conta, ela te protege caso você fique desempregado. Durante a pandemia mesmo, quantas pessoas perderam o emprego? E quantos por cento dessas pessoas estão conseguindo se manter agora?

Vou falar para vocês o meu caso. Eu pedi para sair do meu emprego em março e, dois dias depois, sabe o que aconteceu? Lockdown. Ou seja, fiquei desempregada e sem ter como procurar outro emprego.

Mas eu não precisei arrancar os cabelos da cabeça, porque eu tinha a minha reserva de emergência. Assim, eu poderia continuar pagando todas as minhas contas e vivendo tranquilamente até outra oportunidade surgir.

Outro ponto importante, é que esse montante também pode ser usado em caso de possíveis gastos inesperados, como um carro que precisa de conserto, uma geladeira que estragou, um cano que estourou, um telhado que foi levado por uma tempestade. Assim, você não precisa abrir mão de grande parte do seu salário para pagar essas despesas.

Mas lembre-se de repor o dinheiro depois que gastar, viu?

Onde deixar o dinheiro?

A sua reserva precisa estar em um investimento de liquidez diária. E o que isso significa? Que você consegue retirar da sua conta no mesmo dia.

Como eu disse na minha primeira matéria (clique aqui para conferir), a poupança não é considerada um bom investimento, devido ao baixo rendimento. Porém, não faltam opções de bons investimentos em corretoras e bancos digitais.

Na maioria dos bancos digitais, como o Nubank, o saldo da sua conta corrente rende 100% do CDI. Já nas corretoras, você encontra, além de bons CDBs (lembre-se de procurar por aqueles que rendem 100% do CDI ou mais e que tenham liquidez diária) e o queridinho do Brasil, Tesouro Selic.

Mas antes de abrir uma conta em uma corretora, certifique-se se o seu banco realiza transferência gratuita para você não ficar perdendo dinheiro toda vez que for investir.

Surgiu alguma dúvida? Pode entrar em contato comigo pelo Instagram: @agendadovalesl.


- Publicidade -

Deixe aqui a sua opinião






Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.